Diário de Um Hemofílico de Bem Com A Vida e Notícias e Tudo Sobre Hemofilia

segunda-feira, 21 de maio de 2012

SÃO PAULO FAZ PRIMEIRO TRANSPLANTE DE CARTILAGEM

JC e-mail 2272, de 07 de Maio de 2003.

 SP faz primeiro transplante de cartilagem Técnica, já empregada nos EUA e na Suécia, utiliza enxerto feito com células do próprio paciente, multiplicadas em laboratório Cláudia Collucci escreve para a 'Folha de SP': 

 O hospital Albert Einstein realizou o primeiro transplante de cartilagem da América Latina, a partir de células da própria paciente, que havia sofrido uma lesão no joelho. O procedimento, feito pela equipe do ortopedista Moisés Cohen em parceria com Instituto Biológico, de Campinas, deve ser repetido em outras três pessoas ainda neste semestre. 



A técnica consiste em retirar células de cartilagem (condrócitos) de uma região não-lesionada do joelho do paciente e multiplicá-las em laboratório. 



 Um mês depois, essas células são injetadas na área afetada. A vantagem do método em relação aos demais, diz Cohen, é a formação de uma cartilagem igual à original. A cartilagem é um tecido elástico, encontrado nas articulações, que serve de sustentação e dá mobilidade aos membros. Por ser flexível, ela impede que os ossos se desgastem, o que provoca dor. Em seis meses, afirma Cohen, espera-se que o tecido enxertado esteja integrado à cartilagem ao redor da lesão. Durante esse período, a comissária de bordo Lucille Kanzawa, 39, que se submeteu ao transplante, continuará fazendo fisioterapia para fortalecer a região operada. 



Ela diz ter sofrido a primeira lesão no joelho há quatro anos, jogando basquete. Um ano depois, voltou a sentir fortes dores no joelho durante uma escalada. Há dois anos, uma queda no banheiro do avião afastou-a do trabalho. "Não vejo a hora de largar essas muletas e não sentir mais dor", afirma Kanzawa. Segundo o ortopedista Cohen, o transplante é indicado para traumas, como o de Kanzawa, ou fraturas do joelho. Em 40% das lesões nos joelhos, afirma o ortopedista, a cartilagem é afetada. O transplante, que já é realizado nos EUA e na Suécia, tem indicações específicas. A lesão deve ser limitada e rodeada por uma boa quantidade de cartilagem para que, após o implante, haja capacidade de regeneração do tecido.


 O tratamento, segundo o ortopedista, é indicado para pessoas de até 50 anos e não funciona para casos em que a lesão está disseminada por toda a região ou o tecido é muito fino, como na artrose e osteoporose, por exemplo. Cohen afirma que os tratamentos convencionais - como remédios, suplementos alimentares e injeções, além de técnicas como a enxerto osteocondral (mosaicoplastia), em que se retira pedacinhos de osso e cartilagem de outro local para preencher a lesão - não têm efeito duradouro. 

 O Hospital Universitário da UFRJ e o HTO (Hospital de Traumato-Ortopedia) também realizam pesquisas com células de cartilagem e devem fazer o primeiro transplante dentro de duas semanas. Segundo Lais Turqueto, 66, chefe do setor de cirurgia de joelho do HTO, 15 pessoas estão inscritas para se submeter ao transplante nos próximos meses. (Folha de SP, 7/5)



Apesar de inovador e eficiente, o transplante de cartilagem ainda não é praticado com frequência no Brasil. Entre as razões está o fato de que o procedimento só é indicado no caso de lesões causadas por traumas, que sejam pequenas e bem delimitadas e para pessoas de até 50 anos.
O transplante não funciona nos casos em que a lesão esteja muito disseminada ou quando o tecido circundante for muito fino, o que ocorre nos pacientes que sofrem de artrose e osteoporose. “Além disso, é um tratamento mais trabalhoso porque envolve duas cirurgias e, consequentemente, demanda maiores custos”, diz o ortopedista.

Apesar de inovador e eficiente, o transplante de cartilagem ainda não é praticado com frequência no Brasil. Entre as razões está o fato de que o procedimento só é indicado no caso de lesões causadas por traumas, que sejam pequenas e bem delimitadas e para pessoas de até 50 anos.
O transplante não funciona nos casos em que a lesão esteja muito disseminada ou quando o tecido circundante for muito fino, o que ocorre nos pacientes que sofrem de artrose e osteoporose. “Além disso, é um tratamento mais trabalhoso porque envolve duas cirurgias e, consequentemente, demanda maiores custos”, diz o ortopedista.

 







Um comentário:

Mirna disse...

Eu olho excelente todas essas novidades que estão tendo ciência médica. Agora estamos mais perto do que nunca para restabelecer as partes do corpo graças a recentes avanços na ortopedia e traumatologia. Espero que esse dia chegue logo.




do Diário Postagens opiniões e pensamentos



Quarta- Feira, 27 de setembro


clique e leia tudo

*18 de outubro foi dia dos médicos, parabéns e obrigado a todos os anjos de jaleco.


* Acontece no Espírito Santo, o primiro Hemojogos, 28 de outubro, no parque da Vale. Leia mais.


* Dia 27 de outubro tem Embaixadores da Hemofilia em São Paulo. Clique para saber mais.





LEIA TAMBÉM:



1
jamille edaes

2
Jamille e o marido, Roberto Edaes

3
Kalil chegou a ligar para o atacante Fred: "É o maior centroavante do Brasil há anos"

4
jamille edaes

1
jamille edaes

2
Jamille e o marido, Roberto Edaes

3
Kalil chegou a ligar para o atacante Fred: "É o maior centroavante do Brasil há anos"

4
jamille edaes




Eventos que participamos e cobrimos



Jamille e o marido, Roberto Edaes
Encontro Rio São Paulo de Hemofilia -RJ,
Kalil chegou a ligar para o atacante Fred: "É o maior centroavante do Brasil há anos"
Dia Mundial, APHISP - Campinas..
Kalil chegou a ligar para o atacante Fred: "É o maior centroavante do Brasil há anos"
Divulgando o Dia Mundial da Hemofilia Na Praça Sete. .