Diário de Um Hemofílico de Bem Com A Vida e Notícias e Tudo Sobre Hemofilia

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

avanço de transferência de tecnologia com a Hemobrás e apresenta medicamentos de ponta no Hemo 2012 .

O grupo biofarmacêutico francês LFB apresentou no Hemo 2012 no Rio de Janeiro um dos mais avançados tratamentos para hemofilia e que terá transferência de tecnologia com a Hemobras (brasileira).
Referência mundial em medicamentos de ponta para doenças raras, o grupo biofarmacêutico LFB comemora o avanço do contrato de transferência de tecnologia com a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) e apresenta durante o Hemo 2012 - Congresso Brasileiro de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular, que acontece de 8 a 11 de novembro, no Riocentro - alguns dos mais avançados tratamentos para hemofilia, como os Fatores VIII e IX de coagulação humana.


Factane®, Fator VIII de coagulação humana, é utilizado no tratamento e na prevenção de sangramento e durante cirurgias, bem como para o tratamento de inibidores pela indução à tolerância imune. Já o Betafact®, Fator IX de coagulação humana, é indicado para o tratamento e prevenção de sangramento em pacientes com hemofilia tipo B.
Inaugurada no fim de setembro, a câmara fria da fábrica da Hemobrás, localizada em Goiana (PE), vem recebendo os primeiros lotes de plasma para armazenamento a 35º negativos. A estrutura contou com investimentos da ordem de R$ 35 milhões e é a maior da América Latina, com capacidade para armazenar 1 milhão de bolsas de plasma.”
Trata- se de um avanço em direção à produção em território nacional de medicamentos hemoderivados essenciais”, afirma, Márcia Bassit, diretora geral do LFB no Brasil, parceiro de transferência de tecnologia para o Governo Brasileiro. 

A planta industrial vem sendo desenvolvida com a expertise do LFB - 6ª maior fornecedor mundial de produtos derivados de plasma - e, quando entrar em operação total em 2014, a fábrica da Hemobrás produzirá albumina, imunoglobulina, fatores de coagulação VIII e IX, complexo protrombínico e fator de von Willebrand, medicamentos imprescindíveis à vida de pacientes que sofrem de hemofilias, cirrose, cânceres, Aids, imunodeficiência primária, vítimas de queimaduras ou enfermos em tratamento de terapia intensiva.



Outra etapa fundamental para a autossuficiência brasileira na produção de hemoderivados está em curso no LFB na França: seis profissionais brasileiros – de um total de 40 – estão sendo treinados para aquisição de conhecimento técnico. 
Ao longo de um ano, o grupo passará por uma maratona de cursos nas fábricas do LFB em Lille e Les Ulis e, ao retornarem ao País, os integrantes repassarão o conhecimento adquirido aos demais empregados da Hemobrás.


Medicamentos para Hemostase
Enquanto a fábrica da Hemobrás não inicia suas operações, o LFB segue trazendo para o Brasil medicamentos de ponta. Indicado para pacientes com hemofilia tipo A, o Factane®, Fator VIII de coagulação humana, é utilizado no tratamento e na prevenção de sangramento e durante cirurgias, bem como para o tratamento de inibidores pela indução à tolerância imune. Já o Betafact®, Fator IX de coagulação humana, é indicado para o tratamento e prevenção de sangramento em pacientes com hemofilia tipo B. Ambos os medicamentos ativam o Fator X, possibilitando a estabilização da coagulação sanguínea. Atualmente, os medicamentos são disponibilizados pelo LFB diretamente para o Ministério da Saúde.


A hemofilia é um distúrbio hemorrágico de origem genética que acomete quase exclusivamente pessoas do sexo masculino, causada pela ausência de uma proteína que ajuda na coagulação do sangue. O Brasil possui em torno de 11 mil pacientes ocupando a terceira posição no ranking mundial em hemofilia. O tratamento profilático ou preventivo da doença está entre as principais medidas recomendadas pela Organização

Imunologia e Cuidados Intensivos
O LFB também desenvolve, processa e vende produtos para o tratamento de doenças graves e muitas vezes raras nas áreas da Imunologia e Cuidados Intensivos. No Hemo 2012, o laboratório francês apresenta a Imunoglobulina Humana para uso IV, Tegeline®, utilizada nos casos de deficiência ou anomalia na produção e funcionamento de anticorpos, déficits imunológicos secundários associados a infecções repetidas, correção da taxa de plaquetas, doença de Kawasak, entre outras. 


Já no setor de cuidados intensivos, o LFB apresenta um forte aliado na prevenção de recidivas em transplantados de fígado, o IVheBex®, Imunoglobulina Humana anti Hepatite B, que diminui sensivelmente o retorno da hepatite B, aumentando a sobrevida dos pacientes. O medicamento é disponibilizado em frascos de 5.000 UI/100 ml, o único com essa dosagem no País, o que permite a redução das chances de contaminação, além de representar um melhor custo-benefício. O medicamento é feito a partir de pelo menos 10.000 doadores saudáveis e, só na França, já foram utilizadas mais de 500.000.000 de unidades do medicamento. 
Outro produto de ponta é o Vialebex®, Albumina Humana, indicado na restauração e manutenção do volume de circulação sanguínea no qual a deficiência do volume foi demonstrada, e o uso de um colóide é apropriado. A escolha da albumina ao invés do colóide artificial depende da situação clínica de cada paciente, com base nas recomendações médicas.


Futuro

Um importante medicamento prestes a chegar ao Brasil é o Wilfactin®, que atua na prevenção e no tratamento da doença hemorrágica hereditária de von Willebrand, causada por uma diminuição ou disfunção da proteína denominada Fator de von Willebrand (FvW), indicado quando o tratamento isolado com desmopressina se torna ineficaz. O produto, que não deve ser utilizado em casos de Hemofilia tipo A, é comercializado atualmente pelo LFB na Europa. 


Sobre o LFB
O grupo biofarmacêutico francês LFB desenvolve, processa e vende produtos médicos derivados de plasma para o tratamento de doenças graves e muitas vezes raras, em áreas terapêuticas como Imunologia, Hemostasia e Cuidados Intensivos, bem como a produção de medicamentos biotecnológicos.  O Grupo é líder na França e o 6ª maior fornecedor mundial de produtos derivados de plasma, com faturamento anual de €432,4 milhões em 2011. No Brasil, o LFB está sediado no Rio de Janeiro.


Disclaimer
As informações contidas neste texto têm caráter informativo, não devendo ser usadas para incentivar a automedicação ou substituir as orientações médicas. O médico deve sempre ser consultado a fim de prescrever o tratamento adequado.

14/01/13 12:11
Na próxima quarta-feira, 26 de junho, acontece, no Hemocentro de Brasília, o lançamento oficial da implementação de um medicamento de alta tecnologia utilizado para o controle de sangramentos em pacientes com Hemofilia A. 

Atualmente o SUS já distribui o Fator VIII plasmático (feito à partir de plasma humano), e com a incorporação da nova tecnologia, passará a distribuir também o Fator VIII recombinante, feito à partir de tecnologia de engenharia genética (independente de doação de sangue).
Para a presidente da Federação Brasileira de Hemofilia (FBH), Tânia Maria Onzi Pietrobelli, a transferência de tecnologia utilizada para a produção do medicamento é um grande avanço para o tratamento das pessoas com hemofilia A. “O fator recombinante vai suprir a demanda de fator VIII necessária para garantir os tratamentos de profilaxias primária, secundária, imunotolerância e aumento da Dose Domicilar implantados pelo Ministério da Saúde, pois o material utilizado não depende ou não é dependente de doações de sangue
O Fator Recombinante é a tecnologia mais avançada do mundo, utilizada na maioria dos países europeus e nos Estados Unidos. “A produção do recombinante simboliza o marco da grande mudança do tratamento da hemofilia no Brasil. Passamos do tratamento de sobrevivência (tratamento por demanda) para a tão sonhada prevenção, o tratamento profilático”, enfatiza a vice-presidente da FBH, Mariana Battazza Freire.
O remédio é resultado de parceria para transferência de tecnologia entre a Hemobras e a multinacional Baxter. "Apenas três empresas no mundo produzem esse medicamento", diz Padilha.
Na semana passada, o Ministério anunciou novos acordos de transferência de tecnologia. O país conta com 90 Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs) que envolvem a transferência de tecnologia para a produção, no Brasil, de 77 medicamentos.


A transferência de tecnologia terá duração de dez anos, com início da produção do medicamento no Brasil dentro de cinco anos. No entanto, o processo de aquisição da expertise para elaborar o fator VIII recombinante andará em paralelo com o fornecimento do produto para os usuários do SUS.

A partir deste ano, serão distribuídas 30 milhões de unidades internacionais (UI – sistema de medida da indústria farmacêutica) do medicamento, que podem vir em frascos ampola de 250 UI, 500 UI ou 1.000 UI, conforme a necessidade do Ministério da Saúde (MS), para tratamento preventivo de crianças de até 5 anos de idade.

Durante os primeiros 12 meses do contrato, está prevista a distribuição de até 350 milhões de UI, dependendo da demanda do ministério. A Hemobrás deverá repassar até US$ 100 milhões à multinacional neste mesmo período. Atualmente, o tratamento para hemofilia tipo A no Brasil vem sendo realizado basicamente com o fator VIII elaborado a partir do plasma humano, importado pelo MS. Com o mesmo efeito, esta versão, ao contrário da recombinante, sofre com uma limitação natural de produção, pois é oriunda do fracionamento de uma proteína encontrada em baixíssima quantidade no organismo – o que ocasiona até a dificuldade em adquiri-la no mercado internacional. Desta forma, o fator VIII recombinante mostra-se essencial para a Hemobrás suprir a demanda do Brasil, uma vez que o fator VIII plasmático, que também será produzido em sua fábrica que está em construção em  Pernambuco, atenderá em média a 10% da necessidade do País.

Ao término do processo de transferência de tecnologia, a Hemobrás produzirá o fator VIII recombinante em sua fábrica, em Pernambuco, com previsão de operação em 2014.

A tecnologia dos recombinantes


Os recombinantes são concentrados de factores de coagulação com origem na engenharia genética. Esses produtos já não dependem das dádivas de sangue. O que garante o aprovisionamento do tratamento e reduz os riscos de contaminação viral.


1.Todo começa a partir de uma célula única de hamster. Essa célula tem as mesmas características que uma célula humana para traduzir um gene em proteínas.
<2.O fragmento de ADN humano, que contem a informação genética (o plano de fabrico) do factor de coagulação, é introduzido na célula. A célula é então capaz de produzir o factor VIII ou IX.

3.A célula que contem o gene é reproduzida em laboratório para criar milhões de células idênticas (clonagem).
4.Essas células são conservadas em segurança em provetas em vários “bancos de células”. Todas as células actuais e futuras provêm desses bancos, o que garante a integridade, a constância e a qualidade do produto final.
5.Quando uma produção de factor VIII ou IX é necessária, as células são colocadas em cultura. Graças a essas condições optimizadas, irão produzir a proteína desejada em grande quantidade (neste caso, o factor de coagulação).

6.Os factores recombinantes são depois isolados e purificados para formar o concentrado do produto final.


Artigo criado com base em artigos do Ministério da Saúde e com informações da Assessoria de imprensa da FBH e Baxter.

maxi.anarelly@hotmail.com - Hemofilia News

mais postagens

Em 1911, o Cais do Valongo foi aterrado e redescoberto 100 anos depois

Juntos Somos Mais Fortes...

No que estiver a nosso alcance ajudamos. O Jhoset Velasques diante das dificuldades na Venezuela veio pro Brasil... nós pediu contato de alguém que possa ajuda-lo. O Geovane tem Vonwillebrand e não está conseguindo profilaxia. Estamos tentando ajudar..


Em 1911, o Cais do Valongo foi aterrado e redescoberto 100 anos depois

Com Prevenção, Férias É Só Curtição.

Acho que até dona hemofilia tirou férias e foi pra Sibéria, eu colocando atividade física em dia e a leitura, pretendo acampar. Mães a beira de um hemoinfarte pelas estrepulias dos pequenos. Publicamos dicas de segurança pra férias seguras. .

+Leia Tudo.


LEIA TAMBÉM:



HEMOFILIA E HEMOFÍLICOS

tudo sobre hemofilia

ASSOCIAÇÕES
APH
Festa de fim de ano do HC-SP.Dia mundial no museu.
CHESP
AHESC
Halowen agita crianças no CHESP.AHESC com móveis novos.

tudo sobre hemofilia

AVENTUREIROS

ESCALADA
Um dos vencedores era hemofílico.Adventures Of Hemophilic, escalando pela hemofilia.
DESÁFIO
ENCONTRO
Hemofílicos no Desafio de Caribe, Ermanamento Brasil Venezuela.

HEMOFÍLICOS FAMOSOS